Volume
Rádio Offline
Redes
Sociais
DONO DE SITE QUE APLICAVA GOLPES É PRESO
31/10/2016 12:24 em POLÍCIA

 

O empresário de Ribeirão Preto (SP) Michel Pierre de Souza Cintra, acusado de praticar golpes de R$ 250 milhões pela internet, foi preso na madrugada desta segunda-feira (31) em Ubiratã (PR), na região de Cascavel (PR), durante uma fiscalização da Polícia Rodoviária Federal.

Cintra, que é acusado pelo Ministério Público de fraudes por meio do site de compras Pank, estava foragido desde 2015, quando teve a prisão decretada pela Justiça. Também acusada, a mulher dele, Viviane Boffi Emílio, está presa desde setembro do ano passado.

O empresário foi detido por volta das 4h na BR-369 em um ônibus que partiu de Foz do Iguaçu com sentido a São Paulo. Ele apresentou um documento falso, segundo informações da Polícia Federal, mas acabou reconhecido e detido por ser alvo de mandado de prisão.

Ele foi levado para a delegacia da PF na região, de onde foi encaminhado para a carceragem da Polícia Civil em Cascavel. Contatada pelo G1, a divisão não soube informar qual será o encaminhamento do empresário.

Acusação

O processo contra os empresários tem cerca de 4 mil páginas e a Promotoria aponta que 15 empresas também foram prejudicadas por Cintra e Viviane. O casal também é acusado de contratar, mas não pagar agências de publicidade responsáveis por anúncios do Pank. O prejuízo é estimado em R$ 4,8 milhões.

Em relação ao site Pank, a denúncia é de que os empresários vendiam, mas não entregavam os produtos, ou entregavam itens similares, adquiridos no Paraguai.

Embora as defesas sustentem que a página apenas anunciava as mercadorias, não tendo responsabilidade sobre as vendas, um documento dos Correios aponta que a empresa despachou 24 mil produtos para todo o país entre 24 de outubro de 2011 e 29 de agosto de 2013.

A acusação afirma que o casal elaborou até uma cartilha para ser usada pelos funcionários para “enrolar” os clientes insatisfeitos. O material com 17 páginas foi entregue ao Ministério Público por uma ex-funcionária, que denunciou o esquema.

Em maio deste ano, a Justiça começou a ouvir os depoimentos das testemunhas do caso.

Além de Viviane e Cintra, outras quatro pessoas apontadas como comparsas nos crimes, foram denunciadas por estelionato 215 vezes, além de falsidade ideológica, formação de quadrilha, organização criminosa, crime contra a relação de consumo e lavagem de dinheiro.

FONTE: G1

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!